Para sobreviver a pandemia varejistas precisam saber aproveitar os dados

dados para sobreviver a pandemia

Diversas indústrias estão sentindo os impactos da COVID-19, mas poucas são as que estão sendo mais afetadas que o varejo. O impacto no setor está sendo grande e os varejistas precisam, agora, saber lidar com tudo, desde cadeias de suprimentos não confiáveis ​​até limitações no número de clientes na loja ou suspensões de venda presencial, conforme as diretrizes de distanciamento social e novas medidas impostas pelas autoridades.

O e-commerce global cresceu 44% em 2020. Varejistas cada vez mais buscam oferecer aos clientes uma experiência de compra na loja online tão perfeita quanto na loja física. No entanto, essas novas estratégias digitais dependem de um gerenciamento de estoque preciso, que continua sendo um problema para muitas empresas.

Para que os varejistas garantam que não estão perdendo oportunidades futuras, eles precisam saber aproveitar muito bem uma coisa: os dados. Ao utilizar a inteligência do cliente e melhor gerenciamento de dados, os varejistas podem coletar dados da cadeia de suprimentos em tempo real e fazer pedidos melhores aos fornecedores.

Os dados ajudarão os varejistas a integrar totalmente as informações da cadeia de suprimentos, do cliente e da loja para garantir que estejam criando uma experiência competitiva em relação aos novos comportamentos de compra.

Olhos na cadeia de suprimentos

A pandemia revelou a fragilidade da cadeia de suprimentos. Com uma imprevisibilidade sem precedentes sobre quais produtos os varejistas terão e não terão acesso e quando os precisarão integrar o gerenciamento de dados, em tempo real, com suas operações online.

O investimento em estratégias de dados da cadeia de suprimentos permite que os varejistas se adaptem e se ajustem a interrupções repentinas de seus fornecedores.

Algumas empresas têm aproveitado dados de inventário em tempo real para tornar sua cadeia de suprimentos transparente para seus clientes, para que estejam sempre atualizados sobre o que está e o que não está nas prateleiras.

O investimento em ferramentas de gerenciamento de dados para coletar dados da cadeia de suprimentos em tempo real permite que os varejistas criem melhores experiências para o cliente, e economizem às suas empresas bilhões estimados em vendas perdidas, quando clientes descobrem que seus itens desejados estão fora de estoque.

No entanto, falha na cadeia de suprimentos não é o único problema de abastecimento que os varejistas terão de superar. Alguns problemas de fornecimento e estoque vêm dos consumidores, como a corrida do papel higiênico em março do ano passado ou o esgotamento do PS5 antes mesmo de chegar às prateleiras.

Mudanças, aparentemente, repentinas no comportamento do cliente podem impactar instantaneamente quais itens os varejistas estão priorizando nos pedidos dos fornecedores. Mas, sem entender o comportamento do cliente, os varejistas podem corrigir excessivamente e acabar “morrendo com estoque na mão”.

A análise do cliente influencia os pedidos

Para evitar a coleta de estoque morto e garantir que os pedidos aos fornecedores sejam precisos de acordo com os desejos dos clientes, os varejistas precisam integrar a inteligência do cliente aos seus sistemas de informação da cadeia de suprimentos.

A combinação dessas informações permite com que os varejistas façam pedidos aos fornecedores com base em modelos preditivos precisos do comportamento do cliente. Dessa forma, os varejistas acompanharão as rápidas mudanças de comportamento do consumidor e manterão as cadeias de suprimentos atualizadas com as últimas tendências.

No Brasil a Riachuelo deu recentemente os primeiros passos rumo a novas coleções baseadas em dados coletados nas redes sociais. De acordo com a marca, a iniciativa tem como objetivo seguir o que suas consumidoras estão usando para desenvolver novos produtos com base nisso. E, para lidar com o enorme volume de informações postadas, todos os dias por estas consumidoras, nas redes sociais a Riachuelo certamente precisará contar com iniciativas de Big Data Analytics e Inteligência Artificial (IA).

Omnichannel e dados

Experiências como o Clique & Retire (compre online e retire na loja) tem sido uma tendência crescente entre varejistas e consumidores nos últimos anos, e essa tendência não mostra sinais de desaceleração.

Uma pesquisa descobriu que as vendas de Clique & Retire cresceram 208% em 2020. Mas, o Clique & Retire não foi a única tendência omnichannel acelerada pela pandemia. Também acelerou a pesquisa online e compra offline. Alcançar o sucesso em ambas depende de entender o que está na prateleira, o que os fornecedores trazem e, quais itens são impopulares e criam estoque morto.

Ao coletar inteligência específica do cliente, como os produtos que os clientes estão pesquisando, os varejistas podem criar modelos preditivos para quando a pesquisa online se transformar em uma venda na loja.

O aproveitamento da inteligência do cliente não apenas ajuda os varejistas tradicionais a manter estoques com os produtos que seus clientes desejam comprar, mas também pode ser integrado aos dados da cadeia de suprimentos para otimizar as operações.

O investimento em gerenciamento e integração de dados pode impactar positivamente os lucros dos varejistas, permitindo-lhes tomar decisões de compra de fornecedores com base nas circunstâncias do fornecedor e na demanda do cliente.

Reunir dados de fornecedores e clientes em uma única fonte de informações dá aos varejistas a capacidade de operar com modelos de negócios preditivos inteligentes, além de evitar perda direta de lucro para os concorrentes. Pesquisa mostra que cerca de 36,3 bilhões de dólares são perdidos anualmente por lojas físicas quando clientes compram em outros lugares, ao descobrir que seu item desejado está fora de estoque na loja na qual ele havia se dirigido para a compra.

Uma abordagem integrada para a gestão da cadeia de suprimentos

A integração dos dados da cadeia de suprimentos em tempo real com a inteligência do cliente pode evitar abandono do cliente e aumentar os lucros ao mitigar os riscos à cadeia de suprimentos criados pela pandemia.

No entanto, quando esses dados externos combinam com dados internos —

 como vendas, tempos de reabastecimento, picos de demanda e muito mais — os varejistas tradicionais podem posicionar sua cadeia de suprimentos para estar em sincronia com as compras em tempo real que ocorrem online e na loja física.

Uma melhor inteligência comercial e gerenciamento de dados da cadeia de suprimentos permite aos varejistas oferecer aos clientes uma experiência competitiva para que sempre encontrem os produtos desejados na loja online. Fazer isso requer um sistema robusto de gerenciamento de dados e uma estratégia data science em toda a empresa, de forma a integrar dados em todas as verticais.

Por exemplo, a varejista europeia de roupas Tape à l’oeil adotou ferramentas de gerenciamento de dados ao tornar as operações digitais em decorrência da pandemia. Essa nova estratégia de dados permitiu que a Tape à l’oeil tivesse sucesso durante esses tempos tumultuados, integrando dados de clientes em modelos preditivos para ajudá-los a agir com mais rapidez e mitigar riscos em sua cadeia de suprimentos.

O CIO da Tape à l’oei disse que aproveitar os dados permitiu que melhorassem as operações em geral, dando a eles a agilidade necessária para reagir rapidamente a interrupções na cadeia de suprimentos.

O caminho para as lojas físicas

Um ano após o início da pandemia, o varejo brasileiro, de um modo geral, infelizmente ainda permanece em um estado precário. No entanto, as tendências de consumo mostram que ainda existem oportunidades de crescimento para empresas que se mostram flexíveis, ágeis e preparadas para atender à demanda dos clientes. Tornar o gerenciamento de dados uma parte integrante das operações de varejo ajuda as empresas a enfrentar os desafios da cadeia de suprimentos apresentados pelo COVID-19 capacitando-as a manter seus negócios crescendo.

Autor: Jamie Kiser
Fonte: Retail Customer Experience
Tradução e adaptação por ROX CX

Sua empresa enfrenta desafios parecidos com o que você viu no artigo? Que tal bater um papo sem compromisso com um(a) consultor(a) da ROX CX? Preencha o formulário abaixo que nós entraremos em contato com você!





Escreva de forma sucinta qual é o maior desafio da sua empresa no campo de Data & Analytics:

banner estudo de caso starbucks

Let's talk




Quais são as soluções de seu interesse?

Como prefere que façamos contato com você?